CRUZADA CONTRA A CHAPINHA

Já disse Freud: “Nunca fui capaz de responder a grande pergunta: O que uma mulher quer?”

Pois é, nós mulheres somos assim, almas inquietas sempre insatisfeitas com nossa imagem, insaciáveis na busca de algo que na maioria das vezes nem sabemos o que é.

Quem tem as madeixas lisas e escorridas feito cabelo de índia, adoraria uma cabeleira vasta e armada pra exibir por aí.

Quem tem cachos definidos e volume quer exatamente o oposto.

Drama na certa! Litros de cremes pra tirar volume, produtos que prometem tudo.

Entra em ação um instrumento viciante denominado Chapinha.

Sua patente é bem antiga, em 1909, por Isaac K. Shero. Essa pessoa inventou duas chapas planas que prensavam o cabelo.

Por sua alta temperatura, as mulheres corriam sérios riscos de se queimarem com o método. Quase um objeto de tortura.

Hoje, uma modernidade sem fim, chapinha de titânio, chapinha com íons ativos, chapinha de onda infra vermelha, chapinha de cerâmica…

E ainda assim em pleno 2010,  tivemos o caso de uma garota que morreu eletrocutada ao fazer chapinha!

Ok, foi um caso isolado e extremo, na maioria das vezes a chapinha só danifica um pouco seus cabelos, deixando-os ressecados e sem vida a longo prazo. Mas um tanto quanto sem glamour.

Mais sem glamour ainda a mocinha que flagrei na rua em um dia levemente fresco e chuvoso, andando na calçada com uma sacola de supermercado na cabeça pra não estragar a maldita chapa. Danuza Leão ficaria horrorizada.

Em dias úmidos ela é literalmente de arrepiar.

Meu cunhado, muito observador, bate o olho e diz: Fez chapinha!

Acho que ele odeia esse efeito com todas as forças de seu âmago, e não cansa de admirar cabelos naturalmente volumosos.

Inspirada nele é que lanço esse desafio, essa Cruzada contra a Chapinha.

Porque cabelos cacheados naturalmente são lindos!

Senão, Jorge Amado não teria se inspirado em “Gabriela, Cravo e Canela”, uma morena tipicamente brasileira com vasta e densa cabeleira cacheada, que levava os homens à loucura.

Aliás, os cabelos cacheados são predominantes no Brasil, esse nosso país tão maravilhosamente miscigenado.

Então, que tal soltar a juba e fazer só o básico? Lavar, hidratar, aparar…

Assumir seu volume próprio é ter estilo e tá na moda.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

4 respostas para CRUZADA CONTRA A CHAPINHA

  1. roberto disse:

    Taí…seu post me fez perceber que a seleção do Dunga é uma seleção chapinha, sem os cachos dos dribles e o volume do jogo bonito. Deu no que deu…ABAIXO A CHAPINHA ENTÃO…
    Bj

    • mecolore disse:

      Será que o Cristiano Ronaldo, que foi embora 1º está totalmente envolvido em uma hidratação?
      Já o Dunga… Bom, com a filha dele sendo stylist e sugerindo aquele casaco… quem vai reparar em suas madeixas?!
      Bjo

  2. Silvia Phelippe disse:

    Oi Tati!!!!!Adorei!!!!!Eu,que tenho cabelos mais volumosos,prefiro quando eles estão mais lisos,claro….Nunca estamos satisfeitas,que coisa!Mas gosto do meu cabelo sim….é que cabelo liso é mais prático!Rsrsrsrs….Mas não gosto muito da chapinha não….Prefiro uma bela escova de vez em quando!Bju bju bjuuuu!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s