ME COLORE ESSA SEMANA! HISTÓRIA DO ESMALTE

E assim tudo começa…

A última vez que eu tinha feito as unhas foi no meio de dezembro, ou seja, quase 1 mês.

Viajei no Ano Novo, voltei, comecei a trabalhar e nas horas vagas ainda bati um bolo, arrisquei na cozinha.

E as unhas? Nessa altura do campeonato de mulher das cavernas, claro!

Foi então que entrei numa estranha obsessão por faze-las.

Escolhi meio ao acaso um salão perto de casa/caminho do metrô, segunda feira chuvosa… bolinho de chuva ou faço as unhas?

Ok, para o bem da visão das alunas do curso de make, melhor fazer as unhas.

Sempre gostei de esmaltes clarinhos, tipo o renda, via láctea, depois incorporei os vermelhos: gabriela, rubi e até encarei “uma tigresa” com as unhas negras… hehe

Só que agora tive vontade de ousar e me deleitar com uma pequena frescurinha de verão.

Olhei aquele carrinho da manicure, repleto de cores e cismei: Quero esse!

O eleito: Hippie Chic, da Colorama. Acho que nunca teria coragem de usar nada parecido a algum um tempo atrás.

E o resultado? Perturbadoramente delicioso!

ADOREI! E assim nasce a sessão: Me Colore Essa Semana!

Só assim ficarei mais cuidadosa com as unhas… Desafio: uma cor diferente por semana até o final do ano. Será que conseguirei? Cores novas não faltam, quem acompanhar, saberá!

HISTÓRIA DO ESMALTE

“Ao falar sobre esmalte, muitas pessoas logo se lembram do hábito que muitos tem em pintar ou reforçar as unhas através dessa mistura química que pode ser incolor ou multicolorida. 
As mulheres, em sua maioria, se perdem na infinidade de cores (muitas delas com nomes incompreensíveis) que prometem um visual mais clássico ou mais antenado. Além disso, vários violonistas empregam o material para que as unhas não quebrem durante uma apresentação.

Apesar de tantos usos na contemporaneidade, o esmalte já integrava o cotidiano da realeza do Antigo Egito. Por volta de 3500 a.C., as mulheres egípcias aplicavam uma tintura de henna preta nas unhas. As cores mais vibrantes ficavam relegadas ao uso da família real e chegavam a despertar algumas preferências entre as rainhas do Egito. Cleópatra tinha uma clara preferência pela tonalidade vermelho-escura. Já Nefertiti tinha mais gosto pelo esmalte de tom rubi.

O mesmo poder de distinção social observado no uso do esmalte entre os egípcios também era perceptível entre os chineses. Em meados do século 3 a.C., o uso de tons vermelhos e metálicos (feitos com soluções de prata) significavam a ocupação de um lugar privilegiado na hierarquia social. Já entre os romanos, a pintura dava lugar a tratamentos com materiais abrasivos que faziam o polimento das unhas.

A tecnologia para o tratamento das unhas ficou relativamente estagnada até o século XIX. Nessa época, os cuidados se restringiam à obtenção de unhas curtas e que estivessem moldadas por uma boa lima. Em alguns casos, as unhas eram ligeiramente perfumadas com óleo e polidas com uma tira de couro. Numa época em que o recato era uma importante virtude, a extravagância dos esmaltes não seria nenhum pouco prestigiada.

Até essa época, uma das grandes descobertas foi a invenção do palito até hoje utilizado para a remoção das cutículas. No começo do século XX, os esmaltes começaram a recuperar espaço com o uso de soluções coloridas que não permaneciam fixadas mais do que algumas horas. 

Somente em 1925, durante estudos que desenvolviam tinturas para carros, foram descobertas as primeiras soluções que se assemelham com os esmaltes de hoje. 

Na sua primeira versão, o produto era de um tom rosa-claro e era aplicado no meio das unhas. Chegando à década de 1930, já podemos notar que a “pintura” nos dedos do pé e da mão fazia muito sucesso entre as grandes estrelas do cinema hollywoodiano, como Rita Hayworth e Jean Harlow. No ano de 1932, os irmãos Charles e Joseph Revlon custearam a invenção de um novo tipo de esmalte, mais brilhante e com um leque variado de tonalidades.

Nas décadas seguintes, vemos que a tecnologia empregada foi se tornando cada vez mais complexa. As unhas postiças parecem como uma boa alternativa de se chamar a atenção sem gastar horas na manicure. Há poucos anos foram disponibilizadas máquinas capazes de imprimir uma imagem digital nas unhas. Difícil é saber onde a indústria da beleza pode chegar a fim de atiçar a vaidade feminina.”

Texto de Rainer Sousa (História do Mundo)

Anúncios
Esse post foi publicado em Maquiagem, Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s