ME COLORE COM ELAINE GOMES

Quarta feira passada, dia 26, tive o prazer em maquiar a Narradora de Histórias Elaine Gomes em um programa que ela apresenta para a All TV, “Que história é essa”.

Elaine produz o cenário, figurino, a pauta… Tudo enfim! Fiz uma make suave, valorizando seus traços, tudo muito rápido, não temos tempo a perder. Câmera ligada, então Elaine se transforma e me transporta para outros mundos quando começa a contar, tecer brilhantemente suas histórias. É impossível não se deixar levar, tamanha profundidade e delicadeza.

Pedi que me falasse um pouco dela e gentilmente Elaine presenteou o Me Colore! com sua jornada, como começou, onde atua, e ainda um pouquinho sobre maquiagem. Nós, as mortais, adoramos, é claro!

Segue na íntegra seu texto:

Elaine Gomes é graduada em artes visuais pela FAAP-SP; mestranda em Arte e comunicação pela Eca-USP; Radialista, Escritora, Professora de Arte e Cultura na Rede Senac; autora dos cursos: O Contador de histórias e O Professor que Conta Histórias; Apresentadora do programa infanto-juvenil QUE HISTÓRIA É ESSA pela www.alltv.com.br e docente dos cursos de arte do www.sampa.art.br

 “Em um lugar muito distante, creio que nem eu mesma poderia sequer imaginar, o quanto eu estava distante de tudo, da famosa cidade grande! Mas muito perto do mundo todo, graças ao meu tio-avô Sebastião Rodrigues, que partiu há 20 anos, nascido no dia 20 de janeiro, no dia do Santo, do qual ele levava o nome e mantinha a fé. Sebastião Rodrigues, um contador de histórias nato, espontâneo, e cheio de peripécias em suas narrativas.  Era assim, sítio, meio do mato mesmo, a casinha de madeira de minha avó Augusta, partiu agora, há pouco tempo, com os seus 94 anos vividos e claro repletos de histórias.  Sebastião era solteirão vivia com a irmã Augusta, que ficara viúva muito cedo, com cinco filhos bem pequenos, mas Sebastião tratava de todos eles, como se fossem os seus próprios filhos. Os filhos de Augusta casaram e tiveram os seus próprios herdeiros, e Sebastião os seus pseudos-netos, eu estava ali, entre eles, fazendo parte da roda de narração histórias, que sempre se formava quando acaba energia no sítio e a lâmpada cedia lugar para a luz das velas. Eis o ambiente formado, e hoje, eu dou curso para contar histórias, falando desse ambiente, desse cenário tão espontâneo criado por Sebastião, que não sai da minha memória.  E olha que eu deveria ter nessa época uns quatro ou cinco anos de idade! Sebastião usava chapéu, e um terno, um casaco todo dele, pronto, feito o figurino do contador de histórias.  Avó Augusta se encarregava dos bolinhos de chuva, da polenta e do café bem fresco. O tempo passou tão  rápido e todas essas lembranças, voltaram com tanta força, quando ouvi histórias contadas pela professora REGINA MACHADO, essa maneira de sugerir a história e não entregá-la pronta, foi formidável, ela me fez relembrar e constatar que aquilo já me acompanhava desde a infância. A tradição oral, é a que nos provoca, estimula e principalmente, não diferencia, não exclui, todos sempre imaginam algo, a partir da narrativa. Walter Benjamin, vai dizer no capítulo, O Narrador, que os pescadores, viajantes, mascateiros, pessoas que correm mundo são dos grandes contadores de histórias. E eu digo, que as pessoas que percebem, observam o mundo, também são grande contadores de histórias. Somos carentes de boas histórias, perto de tanta informação, perto do pronto…somos carentes de algo que nos desafie, nos surpreeenda! Foi por essa surpresa e por esse reconhecimento, que as histórias chegaram e ficaram na minha vida. Por anos e anos, contei uma única história: Fátima, a fiandeira! Parecia que eu tinha que ouvir e ouvir, contar e recontar inúmeras vezes…mas em uma aula do mestrado com a Regina Machado, ela disse: enquanto a história, pedir para ser ouvida, lida, assistida, é porque ali ainda está o curioso, ali ainda há algo que o surpreende, que o conquista! Minha formação é em artes visuais, pela FAAP, talvez as cores, a transformação dos materiais, a composição das formas, expressões corporais, a modulação da voz, estejam presente na minha maneira de contar histórias, e assim vou me cercando dos recursos, ás vezes todos, em outras apenas uma gaita e ainda em outras somente a voz e o olhar.  Penso na preparação, como eu me preparo para falar com alguém, dou aulas há  20 anos e sempre me lembro da minha professora de artes da 5ª série, a Dona Ivany, ela era linda, se arrumava para nos encontrar, elegante, não me lembro dela gritando, me lembro da postura, do olhar, do cuidado que ela tinha com ela, e que refletia em nós… Hoje penso muito na Dona Ivany, quando me deparo com alguns professores, que não dão a mínima para o seu bem-estar, e como conseqüência o bem-estar dos seus alunos. Nos arrumamos para uma festa, para um exame médico, para o primeiro encontro e porque não para o nosso trabalho, para o segundo, terceiro encontro e todos os encontros de nossas vidas. Porque em todos esses lugares estaremos lá, cuidar de nós, reflete no ambiente. Uma flor no cabelo, um anel mágico,  uma saia rodada, um chapéu, um casaco, um colete colorido, um brilho nos lábios, uma barba bem feita, o contador de histórias. E sempre vou pesquisando, nessa composição, ambiente, recursos, visual para o bem maior que são as histórias, a palavra, a audição, a vontade de ler e ouvir muitas outras histórias e viajar pelo mundo!

Conto histórias desde sempre, mas “profissionalmente”, entre aspas, porque é mais que profissão, é uma alegria e sempre uma surpresa, um ofício das artes, das belas-letras, desde 1993! Narro histórias para todas as idades, hoje com um repertório bem mais amplo, hoje abri portas e janelas, elas vão chegando pelos  livros, pessoas oferecem histórias para eu contar! As crianças, adolescentes, adultos, melhor idade, sempre um aprendizado, sempre um olhar diferente, na platéia que se forma e me cerca! Que bom que pertenci a uma família de contadores de histórias, que bom que encontrei a Regina Machado lá na Escola Estadual Roberto Mange, e ela me apresentou tantas outras possibilidades, a partir da minha própria bagagem cultural e que bom que estou aqui contando essa história para você!

 Maquiagem e as cores do mundo

“Penso na maquiagem como as máscaras, esse poder de esconder e ao mesmo tempo revelar ou desvelar, melhor dizendo! Pensando ainda na história, no homem das cavernas, as pinturas corporais, os ritos africanos, os egípcios, nossa!!! E os europeus, os bailes de máscaras, e o teatro, pelos deuses, o teatro! A Pintura sempre esteve presente, para diferenciar ou identificar uma etnia…. para realçar o contorno de um lábio, até então escondido, ou desapercebido pela sua própria dona… Olhos, sobrancelhas, em cada detalhe revelado:  uma obra de arte! Porque  vamos  nos descobrindo – pela cor, vamos suavizando uma ruga de sofrimento, um franzir na testa, e tudo está ali, pedindo um toque, um olhar que realmente  observa. Como os índios em seus rituais, a maquiagem está para nós hoje, como a preparação, a revelação, esse cuidado merecido com a gente, quem poderia ser mais importante que nós mesmos? Pretensão, claro que não, estou aprendendo que não existe ninguém mais feliz, reconhecimento no trabalho, nos relacionamentos, se não estivermos bem, se não valorizarmos cada detalhe, que é só nosso, e o que é tão rico em nosso país: a diversidade!”

Alguns lugares contando histórias:

Rede SESC e SENAC; Cia. Porto Seguro; Núcleo de Aprendizagem CARREFOUR; VI Festival a Arte de Contar Histórias – PMSP; Faculdade Sumaré; Universidade Anhembi Morumbi; Colégio Radial; Universidade das Américas; Colégio Flamingo; OCA; MAM; Itaú Cultural; Pinacoteca; CCBB; Livrarias Cultura; Livrarias Da Vila; ONG´s O Semeador e Mão Cooperadora; Museu da Bíblia; Embu das Artes; Unyca – TV Corporativa e todos os sábados ao vivo no programa QUE HISTÓRIA É ESSA pela www.alltv.com.br a partir das 10h!

Elaine Gomes narra histórias e oferece cursos e palestras para todo o Brasil!

elaineartes@terra.com.br

www.facebook.com elaine gomes

www.elaine.culturadebolso.org

http://twitter.com/quehistoria

Anúncios
Esse post foi publicado em Maquiagem, Uncategorized e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para ME COLORE COM ELAINE GOMES

  1. REGINA disse:

    Parabéns pela maquiagem e pelo conteúdo de seus comentários. Você sempre tem assuntos muitos interessantes e repletos de informações, beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s